Próximos Cursos Online
  Ordem Alfabética
 
  Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas de acordo com a nova NBR 5419;2015, Baseada na IEC 62305:2010
13 a 23 de Julho de 2020



Impermeabilização e Proteção das Edificações e Estruturas em Geral
27 a 6 de Agosto de 2020


 

Veja também: Cursos Presenciais
 



 





Local
Curso ONLINE
Período
15 de Setembro
Horário
8:30 às 17:30 h
Carga Horária
24 horas


Inspeção, Avaliação, Recuperação e Reforço das Estruturas de Concreto



PROGRAMAÇÃO DO CURSO

1. PATOLOGIAS ESTRUTURAIS EM CONCRETO ARMADO

1.1 - Origem das manifestações patológicas
1.2 - Por seu funcionamento estrutural (conceitos e sintomatologia)
1.2.1 - Modelos e considerações para o funcionamento mecânico das estruturas de concreto armado
1.2.2 - Elementos estruturais típicos (lajes, vigas e pilares)
1.2.3 - Esforços de flexão simples, flexo-tração, flexo-compressão
1.2.4 - Esforços de cisalhamento e torção
1.2.5 -Esforços de compressão
1.2.6 - Demais solicitações (temperatura, retração, fluência, relaxação)‏
1.3 - Por ações físico-químicas externas ou internas
1.3.1 - Lixiviação, abrasão, cavitação, impactos, incêndio
1.3.2 - Por ações do envelhecimento - ações químicas:
1.3.3 - Agressividade atmosférica (carbonatação, umidade, ácidos etc)
1.3.4 - Agressividade por águas servidas (sulfatos)
1.3.5 - Agressividade por águas ou atmosferas marinhas
1.3.6 - Agressividade biológica
1.4 - Reatividade álcali agregado (RAA)
1.5 - Por corrosão das armaduras
1.5.1 - Conceito de corrosão
1.5.2 - Formação de pilhas eletroquímicas ( Parâmetros relevantes)
1.5.3 - Corrosão por carbonatação
1.5.4 - Corrosão por cloretos

2. DIAGNÓSTICO DE ESTRUTURAS

2.1 - Vida útil das peças de concreto armado
2.1.1 - Vida útil de projeto – referências normativas e ocorrências práticas
2.1.2 - Vida útil de serviço I – grau I de deterioração
2.1.3 - Vida útil de serviço II – grau II de deterioração
2.1.4 - Vida útil de serviço última – grau III de deterioração
2.1.5 - Vida útil residual – grau IV de deterioração
2.1.6 - Projeção dos custos de resgate da vida útil em função do estágio de vida útil
2.2 - Técnicas e recursos para análise das patologias
2.2.1 - Inspeção e mapeamento de anomalias
2.2.2 - Determinação da amostragem para investigação
2.2.3 - Técnicas eletroquímicas de diagnóstico
2.2.4 - Ensaios expeditos de campo
2.2.5 - Ensaios completos de campo e laboratório
2.2.6 - Diagnóstico
2.2.7 - Causas prováveis e diretrizes recomendadas para o projeto de recuperação
2.3 - Projeto de recuperação
2.3.1 - Distinção entre reparo, recuperação, restauração e reforço de estruturas
2.3.2 -Aspectos estruturais para intervenções de recuperação
2.3.2.1 -Esquemas estruturais
2.3.2.2 - Continuidades e apoio
2.3.2.3 - Grau de solicitação dos elementos
2.3.2.4 - Abrangência da intervenção livre
2.3.2.5 -Necessidades de escoramentos e abrangência da intervenção

3. SISTEMAS, TÉCNICAS E PROCEDIMENTOS DE RECUPERAÇÃO

3.1 - Sistemas de recuperação estrutural
3.1.1 - Sistema mecânico de recuperação
3.1.2 - Sistema manual de recuperação
3.1.3 - Sistema de saneamento de processos corrosivos
3.1.4 - Sistemas protetivos
3.2 - Técnicas de recuperação
3.2.1 - Serviços preliminares
3.2.2 - Escoramentos e procedimentos genéricos
3.2.3 - Corte para delimitação das áreas de reparo
3.2.4 - Demolição cuidadosa do concreto
3.2.5 - Recomposição das armaduras
3.2.6 - Tratamento mecânico das Armaduras
3.3 - Técnicas eletroquímicas de controle da corrosão
3.3.1 - Realcalinização
3.3.2 - Dessalinização
3.3.3 - Proteção catódica por corrente impressa
3.3.4 - Proteção catódica por ânodos de sacrifício
3.3.5 - Proteção anódica
3.3.6 - Inibidores de corrosão
3.3.7 - Inibidores de superfície
3 .4 - Recomposição do concreto
3.4.1 - Utilização de ponte de aderência ou saturação da peça
3.4.2 - Sistema manual por aplicação, por forma e sistema mecânico
3.4.3 - Propriedades mecânicas e gerais para materiais de recuperação
3.4.4 - Recomposição com argamassas cimentíceas aditivadas
3.4.5 - Recomposição com argamassas / concretos de alto desempenho
3.4.6 -Recomposição com argamassas poliméricas
3.4.7 - Recomposição / tratamento com argamassas cimento-epoxídicas
3.4.8 - Recomposição / tratamento com argamassas epoxídicas
3.4.9 - Argamassas de suporte para recuperação
3.4.10 - Produtos de apoio para recuperação estrutural
3.4.11 - Argamassas /concretos projetados
3.4.12 - Aditivos para concretos projetados
3.4.13 - Especificações de materiais para projeção
3.5 - Tratamentos finais
3.5.1 - Jateamento / lixamento / polimento
3.5.2 - Estucamento polimérico / Capeamento
3.5.3 - Revestimentos protetores
3.5.3.1 - Argamassas cimento-epoxídicos / cimento- poliuretânicos
3.5.3.2 - Filmes epoxídicos / poliuretânicos / poliaspárticos /poliuréias
3.5.3.3 - Filmes impermeabilizantes e pinturas arquitetônica
3.5.3.4 - Critérios para definição e aceitação de esquemas protetores

4.  REFORÇO ESTRUTURAL DO CONCRETO ARMADO

4.1 - Funcionamento mecânico das estruturas (flexão, corte, torção e compressão)
4.1.1 - Modelos e considerações para avaliação dos esforços atuantes
4.1.2 - Modelos e considerações para avaliação dos esforços resistentes
4.1.3 - Modelos e considerações para dimensionamento dos elementos faltantes
4.1.4 - Ductilidade de elementos estruturais
4.2 - Funcionamento mecânico dos materiais
4.2.1 - Limites e propriedades dos materiais (aço, concreto etc)‏
4.3 - Funcionamento mecânico combinado entre estrutura e materiais
4.3.1 - Limites e propriedades dos elementos estruturais (lajes, vigas epilares)
4.3.2 - Possibilidades de adequações estruturais
4.4 - Técnicas gerais de reforço
4.4.1 - Convencional por implemento de aço e/ou concreto (lajes, vigas ou pilares)
4.4.2 - Externo ou interno por implemento de aço passivo (lajes, vigas ou pilares)
4 .4.3 - Externo ou interno por implemento de aço ativo(lajes e vigas)
4.4.4 - Externo por sistemas mistos
4.4.5 - Externo por sistemas compósitos
4.5 - Modos de mobilização do reforço
4.5.1 - Com consideração das deformações existentes (em especial para pilares)
4.5.2 - Com consideração do alívio das deformações existentes (lajes e vigas)

5. REFORÇO ESTRUTURAL COM FIBRA DE CARBONO

5.1 - Introdução e histórico dos sistemas compósitos
5.2 - Aderência
5.3 - Resistências e módulos de elasticidade dos materiais compósitos
5.4 - Temperatura de transição de vidro
5.5 - Temperatura de deflexão
5.6 - Efeito da temperatura nas propriedades mecânicas
5.7 - Propriedades mecânicas das lâminas de fibra de carbono
5.8 - Propriedades mecânicas das mantas de fibra de carbono
5.9 - Sistema NSM
5.10 -Sistema de protensão
5.11 - Resistências, módulos e limites de deformação
5.12 - Proteção contra incêndio
5.13 - Cálculo do reforço
5.14 - Verificação das seções
5.15 - Dimensionamento
5.16 - Verificação final e fator de reforço
5.17 - Reforço à flexão
5.18 - Reforço ao cisalhamento / torção

6. MINICONSULTORIA

Análise e discussão de casos trazidos pelos participantes

 

Objetivo

Capacitar os participantes a identificar problemas, diagnosticá-los, conceber a metodologia de intervenção, a aplicação correta dos materiais e procedimentos executivos, com vistas à reabilitação das estruturas para a vida útil requerida.


Público Alvo

Engenheiros, Arquitetos e Técnicos envolvidos com manutenção civil, das áreas residenciais, comerciais e industriais, quer na contratação, execução ou fiscalização de obras ou projetos de recuperação estrutural, reforço estrutural e retrofit de estruturas e edificações.


Instrutores

Paulo de Tarso Pereira Ribeiro

Paulo de Tarso Pereira Ribeiro
Engenheiro Civil

M.Sc. em Estruturas. Autor de diversos trabalhos técnicos publicados. Professor universitário. Consultor. Atua ainda como Analista de Controle Externo - Engº Civil, do TCE-RJ.


Informações Gerais

Eventuais cancelamentos devem ser comunicados até 10 (dez) dias úteis antes do primeiro dia do evento. Após esta data, outra pessoa poderá substituir o inscrito, sem qualquer custo adicional.

Os inscritos que não cancelarem sua participação de acordo com as condições acima e não comparecerem ao evento serão cobrados no valor integral da taxa de inscrição correspondente.

A confirmação do curso será feita com, no mínimo, 05 dias antes do início do treinamento.

Caso não atinjam quorum mínimo para realização, os cursos serão adiados ou cancelados. Nesse caso, o valor pago será integralmente restituído.

O NTT não se responsabilizará por nenhuma outra despesa referente a passagens, hospedagem, alimentação, dentre outras

Todas notificações deverão ser enviadas para o e-mail cursos@ntt.com.br.


Dúvidas

Favor contatar a Secretaria do NTT através do whatsapp (21) 96492-5817 ou pelo e-mail cursos@ntt.com.br.


Reservas e Matrículas

Para efetuar a matrícula, basta enviar um e-mail (cursos@ntt.com.br), indicando o(s) nome(s) do(s) participante(s), telefone para contato e dados para emissão da nota fiscal. Ou, se preferir, preencha o formulário abaixo.

Nome / Empresa:

E-mail:

Endereço

Município:

Estado:

      CEP:  
Telefone:

Informe quais cursos
deseja informações:
Quantidade de
Participantes

Comentários:









 

CENTRAL DE ATENDIMENTO:


WHATSAPP:
(21) 96492-5817